Clique aqui para acessar blogs em inglês

Suas perguntas respondidas - Webinar do IQ Bot

Escrito por Gary Conway em Robôs de software no local de trabalho em July 11, 2017

Em 14 de junho de 2017, o diretor de marketing da Automation Anywhere, Gary Conway, e o gerente de produto principal, Kelly Coupe, fizeram um webinar interativo com a participação de David Jones e Edna Ezzell da nossa parceira, Accenture. Intitulado "Apresentando o IQ Bot", nosso webinar de uma hora destacou como os "bots" baseados em inteligência artificial usados na automação de processos robóticos (RPA) estavam sendo aprimorados com recursos cognitivos e o que isso significava para as empresas atuais.

Clique aqui para ouvir o webinar.

Os participantes do webinar foram incentivados a enviar perguntas durante a apresentação. Fornecemos as respostas com enorme prazer.

P: Você precisa de uma equipe completa de ciclo de vida de desenvolvimento de sistemas (SDLC) - por exemplo, desenvolvedores, gerentes de projeto e analistas de negócios - para implantar a RPA com êxito?

R: Sim, uma implementação típica da RPA exige que as empresas adotem uma abordagem estruturada e metódica executada por meio de uma estrutura semelhante ao SDLC. Recomendamos formar três tipos de equipes:

  • Equipe de impacto: Essa equipe é formada por especialistas em processos de negócios ou especialistas no assunto, cujas tarefas são identificar processos que podem ser automatizados.
  • Equipe definida: Essa equipe emprega arquitetos de solução que desenvolvem a melhor forma de automatizar determinado processo e projetar a solução (os bots). Essa equipe também tem a responsabilidade de analisar a precisão e a eficiência dos bots à medida que avançam no ciclo de vida, incluindo desenvolvimento, teste e produção.
  • Equipe de ataque. Essa equipe é formada por especialistas em automação que adotam o design da Equipe definida e automatizam os processos selecionados.


P: Como a RPA difere da automação de fluxo de trabalho ou das ferramentas de gerenciamento de processos de negócios?

R: As ferramentas de automação de fluxo de trabalho e de gerenciamento de processos de negócios (BPM) são usadas em cenários de negócios específicos e exigem que processos de negócios específicos sejam reprojetados. Elas são usadas pela TI e são automatizados por meio de interfaces de programação de aplicativos de back-end (APIs). Elas também exigem que você atenda aos requisitos formais de gerenciamento de mudanças. Tudo isso é demorado e caro.

Ferramentas de RPA, por outro lado, são de uso geral e podem ser aplicadas a diversos cenários, sem precisar reprojetar processos. As ferramentas da RPA operam no front-end, por meio de uma interface de aplicativo intuitiva, e podem oferecer automação contínua sem precisar de programação ou integração de back-end. Por causa disso, você pode usar ferramentas RPA para automatizar todos os tipos de processos de negócios, incluindo aplicativos herdados e aplicativos expostos por meio do Citrix.


P: Considerando todas as ferramentas RPA existentes no mercado, como escolher a melhor?

R: Existem oito fatores principais que devem ser considerados ao avaliar as soluções RPA:

  1. Maturidade do produto: Verifique sempre há quantos anos o produto está no mercado. Peça o número de implantações corporativas - verifique se há implementações grandes e menores - e peça o número total de bots na produção em geral.
  2. Amplitude do portfólio: Em vez de um conjunto de produtos diferentes, procure uma plataforma abrangente que permita fazer uma implantação de RPA de ponta a ponta. A plataforma deve incluir 3 (três) componentes:
    • Recursos principais da RPA que permitem implementar a automação baseada em regras
    • Automação cognitiva interna que permite aos bots tratar dados não estruturados de maneira inteligente, além de empregar o machine learning
    • Mecanismo de análise interno para melhorar continuamente a precisão e a eficiência dos processos, bem como dos bots
  3. Fácil de usar: A solução deve ser tão fácil de usar quanto um produto de consumo. Ela deve ser simples para que profissionais que não são da TI possam criar, alterar, implantar, monitorar e manter bots
  4. Escalabilidade: A solução deve permitir que você reutilize os bots criados e escale-os sob demanda. Ele também deve oferecer ferramentas de produtividade internas que acelerem o desenvolvimento de bots, como ferramentas de gravação, ferramentas de colaboração e uma biblioteca de automação.
  5. Confiabilidade: Verifique se o produto usa uma arquitetura cliente-servidor e se o fornecedor fez implantações de grande escala que você pode usar como referência
  6. Segurança e conformidade: A solução deve lidar com dados confidenciais com segurança, tanto em repouso quanto em trânsito. Ele deve dar suporte à melhor criptografia de bots, como o AES-256, e serguir os padrões e regulamentações locais, do setor e globais, como o FIPS (Federal Information Processing Standard) e o Veracode.
  7. Disponibilidade: A solução não deve ter um único ponto de falha e deve dar suporte à alta disponibilidade de máquinas de "control room" e "bot runner"
  8. Suporte e serviços corporativos: O provedor de solução deve ter uma equipe dedicada de suporte e implementação para dar suporte interno 24 horas por dia, 7 dias por semana e 365 dias por ano, usando uma estrutura orientada ao contrato de nível de serviço (SLA).


P: Como a RPA é implementada em um processo interrompido?

R: A melhor característica da RPA é que ela pode ser aplicada a qualquer número de processos de negócios diferentes. Os bots de RPA podem trabalhar de maneira "assistida" e "não assistida". Por exemplo, quando todo o processo de ponta a ponta não pode ser automatizado, os bots da RPA podem trabalhar com pessoas para oferecer automação assistida. Nesses casos, as ações dos bots da RPA podem ser acionadas por eventos em nível do sistema que podem fornecer dados às pessoas.


P: Qual é a melhor estratégia para implementar a RPA? A RPA como serviço ou criando um Centro de Excelência (COE)?

R: Um centro de excelência (COE) é a melhor rota a seguir porque ele oferece mais controle e permite implantar a RPA de forma mais segura e compatível. Um COE também ajuda a criar capacidades de automação internas, cujos benefícios aumentarão em médio a longo prazos. Um COE também oferece mais flexibilidade e espaço para experimentação com diferentes estruturas de automação. Se você quiser automatizar um grande número de processos em um período mais curto, muitas vezes poderá contratar os serviços de terceiros em vez de terceirizar as operações diárias, como faria com a RPA como serviço.


P: É possível automatizar 100% de um processo?

R: Depende do processo. Os processos de negócios padrão que não exigem muita tomada de decisão podem ser 100% automatizados e dar um retorno sobre o investimento (ROI) muito alto e rápido. A porcentagem de um processo de negócios que pode ser automatizado depende de três coisas: Se o processo tem regras e padrões padronizados; quantos pontos de contato com pessoas existem; e a complexidade e variabilidade geral dos dados.


P: Como as empresas definem expectativas quando começam suas jornadas de RPA? Quais são os critérios para o sucesso durante a fase de iniciação?

R: As empresas precisam planejar a curto e longo prazos. Incentivamos as empresas a pensar grande, começar pequeno e escalar rapidamente. Durante os estágios iniciais, elas precisam selecionar cuidadosamente o que automatizar, estudando os processos de negócios de ponta a ponta. Um COE em RPA deve ser estabelecido. Em seguida, comece a automatizar os processos que são altamente padronizados e que têm um grande número de funcionários comprometidos.

Estas são as etapas, em ordem:

  • Identificar processos que são candidatos à automação
  • Fazer uma avaliação de viabilidade
  • Realizar uma estimativa de complexidade
  • Calcular o ROI esperado
  • Priorizar projetos de automação
  • Gerenciar recursos de desenvolvimento
  • Rever o código
  • Testar o código
  • Implantar bots de produção
  • Gerenciar operações de produção

Os principais critérios de sucesso durante as fases iniciais devem incluir a velocidade da automação, o número de equivalentes de tempo integral de automação criados e o ROI. Depois de obter o sucesso inicial, expanda seu COE e crie um pool maior de processos para automatizar.


P: Qual é o processo de recuperação de desastres para a RPA? O que ocorrerá se um bot falhar no sistema de produção devido a uma pequena alteração no processo?

R: A recuperação de desastre (DR) de um sistema RPA ocorre em dois níveis:

  1. DR de control room centralizado: O control room com o repositório central de bots deve estar disponível e ser capaz de automatizar as agendas originais de outro site em caso de desastre.
  2. DR de máquinas de bot runner: As máquinas de bot runner nas quais as automações são executadas devem ser capazes de executar a partir de outro site em caso de desastre.

Se um bot falhar em um sistema de produção devido a uma pequena alteração em um aplicativo automatizado, ele deverá ser projetado para não precisar recriar a sequência total de automação. Em vez disso, a solução RPA deve dar suporte à resiliência do aplicativo para que possam ser feitas edições mínimas em poucos bots reutilizáveis. O resto dos bots deve funcionar como de costume, não afetados pela alteração.


P: Como uma organização deve apresentar um caso de negócios para a RPA?

R: Um caso de negócios da RPA deve incluir três dimensões:

  • Redução de custos: O negócio deve calcular o número de funcionários em tempo integral substituídos, os ROIs em vários processos e o impacto nos resultados da organização. Por exemplo, a RPA reduz custos em integrações de sistemas.
  • TempoO negócio deve analisar as eficiências obtidas, incluindo reduções no tempo de ciclo, menor tempo para entrar no mercado, além de entrada de receita mais rápida e mais alta.
  • Qualidade: Finalmente, o negócio deve identificar como os processos automatizados eliminam os erros de pessoas que costumam ocorrer em processos simples e repetitivos. Ele deve calcular como produtos e serviços de alta qualidade podem aumentar o valor da marca, reduzir ou eliminar as penalidades de conformidade e minimizar as reclamações e os custos do atendimento ao cliente.


P: O que os trabalhadores existentes podem fazer para melhorar e agregar valor aos esforços da RPA, em vez de perder seus empregos?

R: Apenas os aspectos mais simples e repetitivos dos trabalhos são automatizados com a RPA. Isso libera as pessoas para realizar tarefas mais adequadas ao seu intelecto e criatividade. Elas também podem usar o tempo extra para aprender novas habilidades de negócios ou adquirir novas competências relativas à RPA. Por exemplo, ao aprender sobre ferramentas de automação ou estruturas de implementação de automação, elas podem aprimorar suas habilidades. Elas também ajudam sua organização, criando ou fortalecendo COEs de automação ou identificando oportunidades para automação adicional, tornando-se agentes de mudança de automação.

A automação também cria empregos ao tornar as empresas mais produtivas, criar oportunidades para capacitar mais pessoas para ocuparem cargos de média e alta qualificação.

Experimente
Close

Para os negócios

Veja o Enterprise A2019, a plataforma de automação inteligente líder mundial para um teste gratuito de 30 dias com suporte completo

Para estudantes e desenvolvedores

Comece sua jornada RPA instantaneamente com acesso GRATUITO ao Community Edition